SINDIPI emite nota por causa da manifestação dos caminhoneiros

Nos últimos dias o Sindicato dos Armadores e das Indústrias de Pesca da Itajaí e Região – SINDIPI acompanhou de maneira solidária a manifestação dos caminhoneiros em todo o país. O sindicato, aqui representado pelo seu Presidente Jorge Neves, acredita na legitimidade da pauta apresentada ao Governo Federal. Destaca ainda a coragem dos caminhoneiros e a maneira como o movimento conquistou a população brasileira que foi às ruas apoiar o movimento.  Trabalhadores da pesca também se manifestaram, de maneira silenciosa percorreram o canal do Rio Itajaí-Açu. A pesca, assim como outros tantos setores produtivos do Brasil, também é vítima dos aumentos abusivos e quase diários do preço do óleo diesel. Hoje, 80% das despesas de uma embarcação é com o combustível e ao longo dos últimos anos esse valor vêm se tornando insustentável para quem ainda persiste na atividade, por isso, somos capazes de entender o momento pelo qual os caminhoneiros passam.

Mas neste instante é preciso pensar na sobrevivência das nossas indústrias. A paralisação chega nesta terça-feira ao 9º dia e gera prejuízos para as empresas de pesca de Itajaí e região. Algumas estão paralisando as atividades por falta de insumos (sacos plásticos, caixas de papelão, produtos químicos para limpeza, nitrogênio). Muitos empresários estão com os estoques lotados, não conseguem escoar a produção e também não podem receber pescado. Por falta de combustível nas bombas, funcionários não conseguem chegar aos seus postos de trabalho.  Estamos a véspera de uma das safras mais importantes e tradicionais para o nosso estado a da “tainha” e se nada for feito os pescadores e armadores correm o risco de iniciar a captura sem conseguir sair para o mar.

Precisamos de cautela e um pouco de bom senso neste momento. Destacamos aqui que parte das reinvindicações dos motoristas já foram atendidas e entendemos que é hora de recolocar o país nos trilhos para evitar maiores prejuízos. Os caminhoneiros precisam honrar o trato feito com o governo. Pedimos o apoio desta classe tão importante para o Brasil e desejamos que cada caminhoneiro volte ao trabalho, pois a população também sofre as consequências deste movimento.  Ao mesmo tempo que solicitamos o apoio dos caminhoneiros não poderíamos deixar de mencionar aqui a importância de um trabalho do governo para que as atividades sejam retomadas de maneira segura.

Não adianta apenas abrir estradas e deixar os veículos rodarem sem segurança. É necessário nestes primeiros dias de volta a rotina um acompanhamento das forças de segurança para manter a integridade dos condutores, carga e dos veículos. Antes de finalizar este comunicado, gostaríamos de deixar um recado explícito ao Governo Federal. Este movimento dos caminhoneiros mostrou mais uma vez ao setor, o quanto a pesca é desprestigiada pelo Governo Federal.  O setor gostaria de ter por parte de seus representantes em Brasília o mesmo respeito reservado aos caminhoneiros. Nos últimos anos apresentamos inúmeras reivindicações, entre elas a problemática enfrentada pela pesca referente ao óleo diesel e nunca tivemos voz. Afinal de contas somos os responsáveis por boa parte da geração de emprego, renda e do alimento que chega à casa dos brasileiros.

 

Jorge Neves – Presidente do SINDIPI

Estrutura da divisão de Furtos e Roubo de Cargas de SC é apresentada aos empresários do transporte

“Tendo investigação obviamente nós temos prevenção”. Esta foi uma das falas destacadas pelo Delegado Osnei Valdir de Oliveira, da Divisão de Furtos e Roubo de Cargas, durante a passagem por Itajaí nesta quarta-feira (23).  A iniciativa do Sest Senat reuniu empresários da região interessados em conhecer a estrutura da divisão e o trabalho realizado para coibir o crime. Durante a palestra, o delegado Osnei apresentou aos participantes um passo a passo do funcionamento da divisão e os objetivos do grupo que atua em todo o estado de Santa Catarina.

De acordo com o delegado, o foco do trabalho desenvolvido pela divisão é garantir uma redução nos índices desta modalidade de crime. “Aqui no estado, o trabalho é realizado por um grupo pequeno, mas eficiente de policiais. Mesmo com o preparo da equipe é preciso um aumento no efetivo.  A nossa base é Florianópolis, mas os crimes acontecem em Itajaí, Joinville e parte na região oeste. Quando somos acionados precisamos deslocar estes policiais para cada ponto, mas não podemos deixar a nossa base sem policiais para realização das consultas e para as investigações eletrônicas, fundamentais para o sucesso do trabalho da divisão”, destacou Osnei.

O combate e a redução do furto e roubo de cargas de acordo com o delegado impacta em vários setores entre eles a violência, já que muitas vezes este tipo de crime financia delitos relacionado ao tráfico de drogas, na atuação das organizações criminosas e na perda de arrecadação de tributos para o estado, por exemplo. Outro ponto importante destacado pelo delegado e que auxilia na prevenção é a possibilidade de traçar perfis dos criminosos, preferência por cargas, tipo de rotas, regiões mais visadas e quem compra estes produtos.  Mesmo sem ter todos estes dados, algumas análises já foram feitas, entre elas está a afirmação que até o momento a prática destes crimes não tem nenhuma relação com facções criminosas. O Presidente do SEVEÍCULOS, Paulo Afonso Espíndola, acompanhou o workshop e durante a participação elogiou a iniciativa e a importância do Sest Senat para o setor de transporte.

Almirante Barroso está na final do sub-17

Após uma partida muito disputada, com muitas chances de gol, duas bolas na trave, um gol anulado, um pênalti defendido pelo goleiro adversário, muitas defesas do goleirão Neto, os meninos do Almirante Barroso conquistaram mais uma vitória importante. E esta com um sabor bem especial: o passaporte para a final do Juvenil da Série B do Catarinense. A disputa foi contra o Camboriú, que no fim de semana já havia perdido a primeira partida da semifinal por 2 a 0 do Barroso.

O jogo desta quarta-feira aconteceu no campo do Natalense e dependendo apenas de um empate, o Barroso venceu por 1 a 0, com gol de Santino no primeiro tempo. “ Nós temos que ter total responsabilidade, pés no chão, para a gente alcançar o nosso objetivo. Vamos  continuar fazendo um grande trabalho para a partida final”, comentou o técnico Nenê Vannucci.

Com grande destaque na partida, o goleiro Neto, que menos levou gol durante toda a competição e já anunciado para a equipe profissional do Barroso, saiu confiante de campo e não cansa de dizer: “o meu foco é treinar e dar o meu melhor dentro de campo. Vamos trenar amanhã e sexta, para fazer um resultado”. Se o título vier para Itajaí, ele já sabe quem irá homenagear: o pai e o avô, que também se chama Clodomir.

A última partida da competição será no próximo sábado, 26, contra o Metropolitano. O jogo está marcado para acontecer em Jaraguá do Sul. Na oportunidade, o técnico Nenê Vannucci não vai contar com o jogador Chrystopher, que foi expulso no jogo.

Secretaria da Fazenda Estadual esclarece alterações nos benefícios fiscais

A principal alteração nos Tratamentos Tributários Diferenciados – TTD’s Estadual  em relação a importação de mercadorias para comercialização é a fixação de 4% para o destaque durante a operação interna quando o destinatário for o comércio interno, ou seja, dentro do Estado. Antes, essa situação era facultativa. “ Num primeiro momento, as importadoras deixarão de recolher imposto para o Estado. Mas com isso, eu estou deixando de transferir crédito para o destinatário de 10% e ficando só 4%. No mês seguinte então, teremos ganho”, explicou a coordenadora do Grupo Setorial Especialista em Comércio Exterior (GESCOMEX) da Secretaria de Estado da Fazenda Lenai Michels. Segundo Lenai, o consumidor final não deve sentir essa mudança. Ela acrescentou que na prática o que deve mudar é “ a diminuição da margem do lucro de quem está vendendo”.

As alterações têm motivos especiais: gerar mais arrecadação e atrair empresas investidoras a Santa Catarina. Elas foram definidas pelo atual secretário da Fazenda, Paulo Eli e sua equipe e a palestra nesta tarde de segunda-feira,21, foi uma oportunidade para os empresários conhecerem as modificações e tirarem dúvidas sobre as novas formas de tributação. Entre os participantes, que lotaram o auditório da Câmara de Vereadores estavam profissionais da área de contabilidade, despachantes e empresários do setor de trades. A medida entra em vigor no próximo dia 1 de junho.

O setor do comércio exterior tem grande representatividade para a região. Só em Itajaí, de quase R$ 1,5 bi que deverá  ser arrecadado, 40% vem do comércio exterior. Na área de importação, Santa Catarina é o segundo colocado no ranking Brasil ficando atrás apenas de São Paulo.  “Qualquer mudança na questão tributária influencia diretamente Itajaí. Até porque praticamente a metade da arrecadação do município está relacionada à atividade de Comércio Exterior. Por isso, temos que estar sempre atentos”, pontuou o vereador Robison Coelho, presidente da Comissão de Portos e Autarquias da Câmara de Vereadores de Itajaí durante o evento.

Para a coordenadora do GESCOMEX, essa posição é ocupada pelo Estado, pois há muitos a política estadual é voltada para atrair mais empresas, prospectar novos negócios na área de importação. Entre os benefícios oferecidos hoje estão: 1 – imunidade, 2 – isenção e 3 – diferimento ( TTD), atingindo, segundo dados da secretaria, 95% do total das empresas do Estado.

O presidente do Sindicato das Empresas de Comércio Exterior do Estado de Santa Catarina – SINDITRADE, Rogério Marin, acompanha a discussão das mudanças desde o início e comenta que o resultado não foi totalmente satisfatório, mais com a oportunidade de discutir e mostrar o ponto de vista de quem atua na área, muitos pontos planejados pela secretaria foram revistos e alterados. “ Essa legislação que concede algumas vantagens fiscais para os produtos que usam a estrutura portuária de SC  é muito importante para o desenvolvimento do Estado. Sendo importante, qualquer alteração tem um peso. Temos que entender que o Estado também precisa simplificar a administração e melhorar a arrecadação. Aqui neste caso ele não aumentou a carga tributária, ele diminuiu algumas vantagens em alguns setores específicos onde entendia que estavam havendo distorções que precisavam ser corrigidas”, concluiu Marin.

Os participantes doaram alimentos e produtos de limpeza e higiene pessoal como forma de inscrição para o evento. Os produtos arrecadados serão doados a Associação Amor pra Down da cidade.

Fotos: Davi Spuldaro

Controle do limite da cota para a safra da tainha será feito com informações das indústrias

Os dados das indústrias de pesca enviados por meio de um formulário online no site do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca (SEAP) vão servir como um controlador de volume de captura para a safra da tainha (Mugil Liza) deste ano. Pela primeira um sistema de cotas irá funcionar. As instruções deste novo modelo e a importância do preenchimento e envio das informações foram repassadas pelo Coordenador Técnico da ONG Oceana, Martin Dias. Ele esteve em Itajaí conversando com armadores e representantes das indústrias pesqueiras associadas ao SINDIPI. Durante a reunião, Martin destacou a importância da implantação do sistema de cotas, mas lembrou que alguns erros e falhas devem acontecer, pois é o primeiro ano. “Foi muito trabalhoso chegar até aqui, teve muita abertura por parte do setor e das indústrias que durante o debate sobre a possibilidade de implantar este modelo forneceram dados. Informações responsáveis para a definição da cota máxima no estado que é de 3.417 toneladas sendo 2.221t para a pesca industrial (cerco/traineira)”, mencionou Martin.

De acordo com as regras para a safra deste ano, estas informações online devem ser encaminhadas no prazo de até 48 horas, contando a partir da compra ou recebimento da tainha por parte das indústrias. Na planilha existem 8 campos para preenchimento, entre as informações estão dados como: 1. Número de registro do SIF, 2. Número do lote na empresa, 3. Peso de tainha recebida, 4. Tipo de produtor (artesanal/ industrial), 5. Nome do fornecedor, 6. RGP do pescador ou da embarcação, 7. Data de entrada de recebimento, 8. Número da Nota Fiscal.

Os dados serão monitorados e mais tarde cruzados com os mapas de bordo e de produção. Quando o volume de captura atingir 80%, a Secretaria emite uma portaria suspendendo a captura. Outro ponto importante destacado durante a reunião, é o aviso de saída das embarcações dos portos. Cada barco precisa comunicar sua saída no mesmo dia ou com antecedência máxima de 24 horas, através do formulário online (disponibilizado SEAP e ou MMA) ou impresso, caso for impresso deverá ser protocolado no escritório Regional da SEAP ou IBAMA de Santa Catarina. As informações necessárias são simples: 1. Nome da embarcação, 2. RGP, 3. TIE, 4. Data prevista de saída, 4: Porto de saída. Depois deste envio, o governo emite um número de protocolo, (online ou impresso). O documento serve como segurança caso esta embarcação esteja em alto mar quando o alerta do fim da safra for emitido.

Para participar do processo de seleção da safra 2018, os armadores encaminharam toda a documentação comprobatória dos critérios estabelecidos no edital. Critérios que segundo a avaliação do Coordenador da Câmara Setorial do Cerco do SINDIPI, Agnaldo Hilton dos Santos, foram democráticos. “Claro que existem pontos que precisam ser reavaliados, mas diferentemente do ano passado não vai existir sorteio. Esta mudança tende a melhorar, pois existia uma redução gradativa de 20% ano no número de embarcações e este novo modelo garante a participação de mais barcos trabalhando”, destacou Agnaldo. Ainda segundo o Coordenador da Câmara do Cerco, depois de encaminhada a documentação, a data para a publicação da lista com o nome das embarcações autorizadas depende da agilidade da SEAP, mas os armadores estão otimistas e aguardam o resultado da seleção pelo menos 5 dias antes do começo da safra previsto para o dia 1°de junho. Com a implantação do sistema de cotas, 50 barcos (cerco/traineiras) devem receber a autorização para a safra deste ano. Em 2017, apenas 17 embarcações associadas ao SINDIPI participaram da captura.

Atletas do Almirante Barroso passam por exames cardiológicos

O elenco do Almirante Barroso fez na sexta-feira, 18, exames preventivos na Clínica do Coração, em Balneário Camboriú. A avaliação aconteceu através do teste ergométrico. No exame,  o médico avaliou o oxigênio que passa pelo coração, o desempenho rítmico do coração e a pressão do atleta.  Os resultados são necessários para comprovar que todos os jogadores estão aptos a entrar em campo.

De acordo com o médico que fez a avaliação, Dr. Roberto Tomikazu Takeda, esses exames são importantes para prevenir casos de infarto e morte súbita em atletas, por exemplo. “ Se faltar oxigênio é sinal que tem algo entupido para levar esse oxigênio. Quando aumentamos aqui a frequência do jogador e os sinais são rítmicos, mostra que ele não tem cicatriz no coração, não tem cardiopatia que pode levar a morte súbita com esforço”, explicou.

O diretor de futebol do clube, Luiz Parise, acompanhou os atletas e comentou a importância desses testes para os jogadores de futebol e para toda a equipe desempenhar um bom trabalho.  “ Quem ganha com certeza é o grupo. Estamos muito focados nesta pré-temporada, nossos esforços são grandes para oferecer o melhor ao nosso conjunto.  Com os resultados a segurança para trabalhar em campo com esses jogadores é maior, saber que você tem um atleta saudável e que é possível exigir dele para o trabalho necessário”, comentou Parise.

O zagueiro Victor Hugo passou pelo teste e elogiou a oportunidade. “ Nos dá tranquilidade em saber que a gente pode trabalhar no mais alto nível, saber que não teremos problemas. O coração está ok, tudo bem, tudo pronto para a estreia”, reforçou.

Barroso vence primeiro jogo da semifinal do Sub 17

Com um campo encharcado por causa da chuva da madrugada do último sábado, uma arbitragem com várias falhas e a missão de voltar para casa com os 3 pontos, o Almirante Barroso fechou o primeiro jogo da semifinal com uma vitória por 0x2 contra o Camboriú. A próxima partida está marcada para quarta-feira (23), às 10h no Campo do Natalense em Itajaí.

“Mesmo com esta vantagem é preciso respeito frente ao Camboriú. Foi uma equipe que fez um bom campeonato e chegou até aqui. Outro fator importante e que precisa ser levado em conta é o pequeno espaço de tempo para recuperação das duas equipes para a próxima partida. Vai faltar tempo para um trabalho mais tático, vamos fazer um regenerativo para deixar o time pronto e vamos pra cima, sonhando com a vaga na final”, destacou o técnico Nenê Vannucci depois da partida.

Os dois gols do Barroso no jogo contra o Camboriú foram marcados no segundo tempo. Ambos surgiram de uma jogada do capitão Natan. No primeiro gol, ele cruzou para Gladiador que foi derrubado na linha do gol. A arbitragem marcou pênalti e Kadu cobrou abrindo o placar para o time de Itajaí. O segundo gol saiu nos últimos minutos de partida e foi marcado pelo camisa 13 João Vitor.  O Barroso teve ainda um gol de falta anulado pelo árbitro do jogo. O destaque do jogo deste sábado (19), segundo a imprensa esportiva foi o jogador Erick o “gladiador”.

Empresários de SC comemoram a aprovação do Projeto de Lei que regulamenta os escritórios virtuais e de coworking 

A aprovação do PL 8300/17 foi debatida  na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços nesta quarta-feira (16). A autoria do projeto é do Deputado Federal Marco Tebaldi e contou com a colaboração de empresários catarinenses. No ano passado, após uma Convenção de profissionais da área realizada em Balneário Camboriú, o projeto então foi criado e entregue a parlamentares.

A empresária do setor, Priscila Schweitzer Dallagnolo, da Oniqua Escritórios Virtuais de Itajaí comentou sobre a importância desse movimento de regulamentar a atividade. “ Além de regulamentar, ela orienta com respaldo jurídico os empresários tanto do setor dos escritórios quanto as pessoas que buscam por esses espaços para domiciliar as suas empresas. Além disso, neutraliza a concorrência desleal, ou seja, pessoas que tem outros tipos de atividades acabam usando seus espaços abertos como escritórios virtuais para ter fonte de renda”, explica.

O empresário, sócio da Oniqua, em Itajaí, e do Jaraguá Business Center, no norte catarinense, Douglas de Andrade  acompanha de perto essa discussão e recebeu a notícia com bastante satisfação. “ Estamos felizes com a aprovação desse projeto inovador que nasceu aqui em Santa Catarina e eu tive a honra de participar da sua criação. Nós da Associação tomamos frente e entregamos esse documento ao deputado Tebaldi, que garantiu levar para discussão. Continuamos acompanhando, pois ainda tem alguns passos. Mas já estamos confiantes”, comentou. Douglas também é  também diretor da região Sul, da Associação Nacional dos Coworkings e Escritórios Virtuais.

Atualmente, são contabilizados 1.000 locais desses gêneros em todo o Brasil, segundo a ANCEV.  A média de crescimento registrado dos últimos 10 anos girou de 15 a 20%. O modelo atual de escritórios virtuais existe no Brasil desde 1995 e o de coworking é mais recente, de 2009. Entre os benefícios de quem busca os serviços está a economia de custos, que pode chegar a 85% do investimento em um escritório convencional.

O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado agora pelas comissões de Comissão de Finanças e Tributação; e Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Projeto de lei:  http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2147960

 

  

Palestra sobre mudanças nos incentivos fiscais ( TTDs) será na próxima semana em Itajaí

A apresentação da coordenadora do Grupo Setorial Especialista em Comércio Exterior (GESCOMEX) da Secretaria de Estado da Fazenda Lenai Michels vai acontecer no próximo dia 21 de maio, a partir das 14h, na Câmara de Vereadores de Itajaí. A intenção é discutir os reflexos das alterações previstas nos incentivos de ICMS, conhecidos como TTDs (Tratamento Tributário Diferenciado) para os municípios, Estado e para as empresas importadoras e exportadoras. O comércio exterior e seus serviços agregados são grandes fontes de renda e empregos em Santa Catarina, em função da boa estrutura logístico-portuária do Estado.

Esta é uma grande preocupação do Sindicato das Empresas de Comércio Exterior do Estado de Santa Catarina – SINDITRADE, que no mês passado reuniu os associados para iniciar o debate sobre a reformulação na lei, que já está em vigor há pelo menos 15 anos. Com isso, o Sinditrade convidou o Estado para esclarecer todas as dúvidas dos empresários e assim, evitar prejuízos para todos os envolvidos nesta cadeia.

O presidente do SINDITRADE, Rogério Marin, salienta que a parceria da entidade com a Secretaria da Fazenda já é antiga. “ O Estado provê as condições e os empresários do setor buscam negócios no país todo e no exterior para trazer para Santa Catarina. Neste sentido, o diálogo entre Estado e Entidade de classe é fundamental para o crescimento do setor de Comércio Exterior”, explica. O Vereador Robson Coelho, presidente da Comissão de Portos e Autarquias da Câmara de Vereadores de Itajaí vem acompanhando o tema e participará do evento.

O evento tem limite para 200 participantes. Os interessados deverão fazer as inscrições através dos telefone 3241-0300 – 3346-1422 – das 08h às 12h e das 13h30 às 18h, no Sinditrade, com o Altair ou através do e-mail: sinditrade@intersindical.com.br Os participantes deverão levar no dia do evento um produto de limpeza. Todos os produtos serão doados a instituições da região.

Foto: Marcos Porto

Atraso para tirar CNH em Itajaí chega a 5 meses

Quem precisa tirar a Carteira Nacional de Habilitação em Itajaí tem que ter paciência. O processo, que levava 60 dias, hoje pode chegar a 5 meses. O responsável pela morosidade é o Detran (Departamento Estadual de Trânsito). Com a modernização dos sistemas, incluindo a implantação da CNH Digital, aliado a um quadro reduzido de funcionários, o departamento não tem conseguido atender as expectativas. Resultado: muita espera e prejuízo para os alunos, que muitas vezes precisam do documento para começar a trabalhar ou viajar, e transtorno também para as autoescolas, que realizam todo o processo legal dentro do prazo, mas não conseguem entregar a habilitação por deficiência no Detran.
Um exemplo do impasse é a realização da prova teórica. Após as aulas na autoescola o aluno deveria realizar a avaliação no Ciretran no dia seguinte, porém, está tendo que aguardar 3 meses. Essa primeira etapa para tirar a CNH era feita em folha de papel, mas com a informatização passou a ser executada no computador. Com a alteração veio a queda no número de provas realizadas, estabelecendo, somente, 12 avaliações por semana, quando seriam necessárias mais do que o dobro de provas realizadas.
Para os empresários do ramo de autoescolas a lentidão no serviço pode ser amenizada: “Ciretran precisa urgentemente de mais profissionais. Atualmente estagiários realizam atividades que precisam ser ocupadas por efetivos. Além disso, adquirindo novos computadores será possível a realização de um número maior de provas, fazendo fluir essa demanda reprimida de emissão de CNHs em Itajaí”, afirma Fabrício Moreira Paes da autoescola GM.
Além de tudo isso, quem precisa ir ao Ciretran encontra uma estrutura precária, sem espaço, sem adaptação para pessoas com deficiência, além da falta de equipamento e funcionário qualificado. Tantos problemas impactam diretamente na prestação do serviço.   O atraso na emissão das carteiras é registrado em várias cidades catarinenses que também enfrentam o mesmo problema. Empresários da região já se reuniram e estiveram no Detran repassando a problemática, mas ainda aguardam reposta e solução para o problema.
Imagem da Internet